LUIZA BALDAN | ESTOFO

02.03.2017

convite exposição estofo

Serão exibidos trabalhos inéditos da artista Luiza Baldan (Rio, 1980), resultantes de intensa pesquisa de quase um ano navegando na Baía de Guanabara. Estarão na exposição fotogravuras e suas matrizes, uma videoinstalação, uma carta náutica e um texto da artista.

“Estofo”, que na linguagem náutica significa intervalo de tempo onde não há corrente de maré, é o desdobramento do projeto "Derivadores", publicação editada pela Automatica Edições, feito em 2016 em parceria com o artista Jonas Arrabal, dentro da bolsa "Viva a Arte!" (Secretaria Municipal de Cultura), com o apoio da empresa Prooceano e do Projeto Grael.

Luiza Baldan iniciou sua trajetória em 2002, e poucos anos depois já era reconhecida na cena contemporânea. Em 2009, fez uma residência no Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes (conhecido como Pedregulho), projetado por Affonso Eduardo Reidy (1909-1964), e desde então seus trabalhos envolvem deslocamentos e imersões em residências temporárias diversas. A partir de 2014, com o projeto “Perabé”, realizado entre São Paulo e Santos, seus projetos passaram a ter longa duração.

UMA PROFUNDA IMERSÃO, UM MERGULHO, SEM NUNCA TER ENFIADO O CORPO INTEIRO N'ÁGUA

O contato de Luiza Baldan com a Baía de Guanabara foi poético, e seu interesse abrangeu também sua história, porta de entrada da cidade pelos descobridores portugueses, e o fato de estar presente “na vida de todos, embora talvez sem que tenham noção desta grandeza”. A artista fez “uma profunda imersão, um mergulho, sem nunca ter enfiado o corpo inteiro n'água”.

Luiza Baldan navegou pela Baía durante mais de nove meses, a maior parte deles duas vezes por semana, a bordo de um barco com uma equipe que monitora o lixo flutuante. Na primeira etapa do projeto, ela e o artista Jonas Arrabal transformaram um derivador, artefato científico usado para o estudo do comportamento das correntes marítimas, em uma câmera pinhole, para fotografar a deriva na Baía de Guanabara.

O projeto “Estofo” é um desdobramento desta pesquisa, uma consequência da observação nos deslocamentos frequentes da artista pela Baía – orla da Urca, Aterro até os portos, cruzando a ponte até a Ilha do Governador, praia do Galeão e canal de Ramos; orla de Niterói até a boca da Baía de volta à Urca – em que percorreu a Baía em toda a sua extensão, incluindo a área que margeia Magé, a APA de Guapimirim, além de diversas ilhas, como Jurubaíba, Paquetá e Pombeba.

Ela conta que “foi um privilégio estar na Baía de Guanabara, fora do roteiro habitual das barcas”. “Chorei, quando vi o Rio Macacu desembocar na Baía”, lembra. Luiza Baldan conta que a segunda vez que chorou, por razões opostas, foi quando entrou na Ilha de Pombeba, em frente à região portuária, onde encontrou “uma grande concentração de lixo, tanto o carregado pelas marés quanto o depositado pela a extração de metal pesado”.

 

A exposição Estofo terá sua abertura 16.03.2017 à partir das 19h, e vai até 28.04.2017

Compartilhe:   twitter   facebook   Indique esta notícia   Versão para impressão

Outras notícias

12.04.2017 | 

LUIZA BALDAN E ANA KIFFER

Luiza Baldan, que ocupa a galeria até 28 de abril com a exposição Estofo, convida Ana Kiffer para uma conversa sobre fragmentos afetivo-conceituais e processos. 
Dia 17.04 das 18h-20h na Anita Schwartz Galeria de Arte

mais

22.03.2017 | 

FYODOR PAVLOV-ANDREEVICH | MONUMENTOS TEMPORÁRIOS

Fyodor Pavlov-Andreevich faz performance na inauguração de sua exposição. Fotoinstalações e microfilmes das atuações anteriores ficam em cartaz de 1 de abril a 13 de agosto no MAC USP, em São Paulo. A entrada é gratuita.

mais


todas as notícias

© Anita Schwartz Galeria de Arte. Todos os direitos reservados.

Rua José Roberto Macedo Soares 30, Gávea - Rio de Janeiro RJ - Brasil

Tels.: (21) 2540 6446 e 2274 3873 | galeria@anitaschwartz.com.br